5 exercícios de escrita criativa para aumentar as habilidades dos estudantes

2 de março de 2021


Usar exercícios de escrita criativa com seus estudantes ajudará a melhorar as competências e habilidades de todos de forma geral. Isso porque com a prática, vem um aprimoramento da articulação e do raciocínio, mais foco e atenção, novos olhares sobre o mundo e sobre si mesmos. Assim como um aumento da capacidade crítica e analítica. Entretanto, a chave para amplificar a arte da escrita vai além da aula de redação e das fórmulas propícias à vestibulares: está na prática diária! Por isso, para ajudar nessa questão, separamos cinco exercícios divertidos de escrita criativa que os jovens podem usar dentro e fora da sala de aula. 

Exercícios divertidos de escrita criativa

Reescrevendo o passado

Escrever exercícios em que os estudantes criam histórias a partir de estímulos visuais pode ser divertido e envolvente. Fotografias e cartões postais antigos fornecem uma referência visual poderosa para a imaginação. Eles contêm histórias que nunca ouvimos, mas que já foram reais para alguém. Proponha à turma, na sala de aula presencial ou online, observar imagens que tenha encontrado na internet (ou partir de uma série selecionada pelo próprio professor) e criar novas histórias inspiradas nelas. Talvez, eles tenham alguns materiais em casa, da própria família, o que traz um gostinho a mais na imaginação.

Se precisar ajudar a despertar o estalo criativo inicial, faça perguntas como:

  • Quem são as pessoas nesta imagem e de onde elas vêm?
  • Qual é a relação deles, um com o outro?
  • Onde a fotografia foi tirada?
  • O que eles estão pensando?
  • Quais foram os eventos que levaram à tomada da foto e o que aconteceu depois dela?

Inspirados pelas próprias ações

A ideia aqui é que os estudantes escrevam sobre uma história em que foram protagonistas e mostraram sentimentos que considerem engrandecedores. Por exemplo, um ato de coragem em defesa de algo ou alguém. Uma outra opção é escrever sobre as ações de alguém que os inspirou. Nesse tipo de exercício, além da escrita criativa, vem à tona um trabalho de desenvolvimento pessoal e construção de autoestima muito propício ao que está presente na Base Nacional Comum Curricular. A BNCC tanto prevê o exercício da empatia, do diálogo, da resolução de conflitos, quanto a possibilidade de “valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural” (BNCC, 2017).

Explique algo em 100 palavras

Este é um daqueles exercícios divertidos de escrita criativa, bem famosos e que testa a compreensão e estimula o pensamento crítico. A premissa é simples, porém, desafiadora. Se pararmos para analisar, segue a estrutura do que é feito no Twitter, o que desperta ainda mais o envolvimento juvenil. A ideia é: peça que  escolham conceitos ou assuntos sobre os quais não dominam muito. Em seguida, solicite que os expliquem por escrito, usando 100 palavras ou menos. Eles podem até ler o trabalho dos outros no final e explicá-los de volta para o autor original, como uma avaliação de compreensão do que foi escrito.

Invista no poder dos bons títulos

Bons títulos chamam nossa atenção e nos fazem querer ler o que está abaixo no texto, artigo, notícia, reportagens, livros e afins. Exercícios de escrita criativa, que propõe pensar este item, trabalham o cérebro ao considerar como fazer um conceito parecer irresistível em apenas algumas palavras. Proponha um tema diferente, cômico ou sério, algo complexo de tornar interessante em poucas palavras e solicite que façam uma pequena lista de possíveis manchetes para ele. As mais criativas podem ser compartilhadas com a turma toda.

Brincando com a perspectiva

Este é um exercício que libera os estudantes para pensar criativamente de maneiras diferentes. Pegue uma cena clássica, de um filme, série, peça e proponha que reescrevam. Mas, alterando a perspectiva dela. Ou seja, é um ato cômico? Então, os desafie a reescrevê-lo como dramático. É um poema? Reescrevam como uma reportagem. A imaginação é o limite. 

revista Arco 43