Ansiedade entre estudantes: como ajudar na ressocialização?

10 de dezembro de 2021


Após todo o ocorrido nos últimos tempos, finalmente as aulas presenciais estão de volta. É provável que a pressão do retorno, aliada às dificuldades da pandemia, possam ocasionar quadros de ansiedade entre estudantes de várias idades. Como medida de solução, em lugar de esperar para responder aos sinais de alerta, as escolas podem ajudar de forma proativa a processar o que aconteceu desde março de 2020, de forma que as crianças não sintam que devam dissimular seus sentimentos.

Ansiedade e dificuldade de aprendizagem

A escola oferece oportunidades importantes para um desenvolvimento crítico completo, o que inclui não apenas a questão acadêmica, mas também a social, por meio da vivência compartilhada de momentos d​e autoexpressão. Nesse sentido, certamente, o maior isolamento e afastamento da socialização pode ter consequências de curto e longo prazo que ainda não podemos conhecer completamente, como quadros de ansiedade entre estudantes de várias idades.

Alguns alunos podem se sentir entusiasmados e ansiosos, outros podem ficar nervosos e hesitantes e muitos estão em conflito com alguma apreensão porque, embora possam desejar estar entre os colegas novamente, podem ter preocupações constantes com a saúde e segurança pessoal ou familiar. Também é provável que os jovens possam ficar desapontados se perceberem que seu grupo de amigos mudou ou que a dinâmica do grupo se perdeu. 

LEIA TAMBÉM: Retorno às aulas após a pandemia, o que a sua escola precisa?

Afirmar as emoções das crianças e adolescentes é uma das melhores coisas que os adultos podem fazer ao lidar com mudanças estressantes, principalmente no cenário atual, em que a depressão e a ansiedade na juventude dobraram em comparação aos níveis pré-pandêmicos. De acordo com uma pesquisa recente, um em cada 4 adolescentes em todo o mundo está “experimentando sintomas de depressão clinicamente elevados, enquanto 1 em cada 5 jovens está experimentando sintomas de ansiedade clinicamente elevados”.

A ansiedade entre estudantes não pode ser negada 

A ansiedade entre estudantes e a ansiedade na escola é uma realidade inegável. O transtorno, que já foi considerado uma das principais doenças do milênio, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), precisa que os educadores representem o papel de estabilidade na vida de seus alunos. Isso pode incluir estabelecer expectativas comportamentais, dividir as tarefas em etapas e fornecer uma agenda que delimite a essas crianças e jovens o dia a dia com constância.

Com o estresse ampliado este ano, também será preciso mais prática com as rotinas e os professores podem precisar de mais paciência. A aprendizagem experiencial será um diferencial importante após os alunos terem sido isolados e protegidos por quase dois anos. Para controlar a tensão entre a ansiedade social e a necessidade de se conectar, o ideal é começar com pequenos passos e aumentar progressivamente 

Como pais e professores podem trabalhar juntos

A ansiedade entre estudantes com a volta física à escola é latente, mas não é exclusividade da idade, uma vez que pais e professores também lidaram com muitas mudanças durante a pandemia, acarretando fatores de estresse em suas vidas. Para garantir que possam apoiar os jovens, os adultos precisam primeiro cuidar de si mesmos. Além disso, pais e professores precisam se apoiar mutuamente, comunicando-se sobre o que estão observando na sala de aula e em casa.

Revista Arco 43