Como desencadear a aprendizagem baseada em pesquisa?

14 de outubro de 2021


Educadores estão a todo o momento em busca de meios para atualizar suas aulas e a maneira como transmitem seus conhecimentos aos estudantes. Nadando nessa corrente, estudiosos de diversas áreas unem esforços para desenvolver metodologias de ensino inovadoras. Dentre elas, existe a chamada aprendizagem baseada em pesquisa, uma abordagem educacional que coloca os alunos como protagonistas do seu processo de desenvolvimento.

Conhecendo melhor a aprendizagem baseada em pesquisa

Considerada uma forma de metodologia ativa por repensar o modo de ensino tradicional, a aprendizagem baseada em pesquisa visa a participação dos estudantes na sala de aula, contrariando a visão do professor como uma figura que detém todo o conhecimento nesse espaço e que, por isso, apenas ele deva transmiti-lo. 

A técnica didática busca conectar o que é ensinado na escola a práticas de pesquisa realizadas pelos alunos. Desse modo, eles mesclam o conteúdo teórico passado pelo educador com os conhecimentos de outros estudiosos da área, experiências pessoais e reflexões baseadas em suas próprias análises. Com isso, desenvolvem muitas competências em sua formação, como a capacidade de argumentação e a autonomia.

VEJA TAMBÉM: Tecnologia na sala de aula: ensine Química usando o TikTok.

Quais vantagens esse método proporciona aos estudantes?

A médio ou longo prazo, alunos expostos à aprendizagem baseada em pesquisa conhecem as fontes das informações com as quais entram em contato e entendem que o conhecimento é amplo e baseado em diversos estudos científicos e teorias, não apenas originário de um professor que fala em sala de aula. Isso cria neles o interesse em aprender mais sobre o tema, defender suas opiniões com base em suas próprias pesquisas e enfrentar problemas práticos da vida, inclusive os relacionados ao seu processo de formação.

Esta forma de metodologia ativa pode ser aplicada em diversas disciplinas nos diferentes níveis de ensino, do Fundamental ao Superior. Vale a pena apostar na abordagem independentemente da idade do estudante, pois desperta nele diversos benefícios, como:

  • O potencial de questionamento e argumentação;
  • A boa organização da pesquisa, do planejamento à sua apresentação;
  • A capacidade de trabalhar em grupo e geri-lo bem, com comunicação clara entre participantes;
  • O discernimento para fazer ciência e, caso seja de seu interesse, um suporte para seguir a carreira acadêmica;
  • A consciência histórica de um tema e suas relações entre a teoria e a vida real;
  • O seu envolvimento ativo na aprendizagem, trocando conhecimentos com o professor.

Qual o papel do educador nessa metodologia?

Na aprendizagem baseada em pesquisa, o educador propõe um tema a ser desenvolvido e entra como mediador do processo de ensino, oferecendo suporte aos estudantes que realizam suas investigações. Cabe a ele orientar seus educandos, disponibilizando materiais de pesquisa e tempo para conversas sobre como o trabalho está caminhando. 

É fundamental que haja um ambiente favorável, no qual professores e alunos mantenham bom relacionamento. A partir da troca de experiências e de uma boa orientação, os estudantes também assumem a responsabilidade pelo que aprendem, compartilhando-a com seus mestres.

Como incorporar a aprendizagem baseada em pesquisa na sala de aula?

Existem alguns modos desse método ser aplicado em sala de aula, já que, como uma metodologia de ensino inovadora, permite uma flexibilidade. Cabe ao professor analisar qual a melhor alternativa para sua turma. Geralmente, ele propõe um debate sobre algum tema atual, que gera discussões na sociedade. Pode ser a mesma temática para a classe toda, daí cada um a trabalha de sua forma individual, ou vários assuntos a serem escolhidos pelos alunos.

Por meio da pesquisa, os estudantes, em grupo ou isoladamente, criam um trabalho argumentativo ou buscam uma solução ao problema. O professor, então, acompanha o desenvolvimento dos alunos e oferece feedbacks individuais ou ao grupo. É importante que cada um consiga seguir o caminho necessário à sua pesquisa, lendo materiais pertinentes a ela e mantendo a autonomia.

No fim do processo, o professor precisa elaborar uma apresentação, como uma roda de debate ou aulas em forma de seminários para que os estudantes mostrem os resultados obtidos e, talvez, comentem sobre o como a pesquisa aconteceu: as dificuldades que encontraram no caminho e as soluções que conseguiram encontrar para enfrentá-las. Ao fim desta experiência, com certeza os educadores também terão aprendido com os alunos, não apenas o contrário.

Revista Arco 43