Como fazer uso pedagógico do Twitter?

23 de dezembro de 2022


Usar uma rede social em um ambiente de aprendizado torna a sala de aula mais atual e criativa, mas não é uma prática fácil. A aderência deve vir aliada de uma alfabetização digital adequada, que considere criticamente os prós e contras do meio de comunicação.

O Twitter é um bom exemplo. Oferecendo informações rápidas, um fluxo dinâmico que fica ótimo em computadores e dispositivos móveis e uma variedade de formas de se comunicar, de #hashtags, mensagens e threads, funciona bem em sala de aula. Mas também tem uma lista de questões negativas que podem ser abordadas e discutidas.

Graças a sua natureza, o uso pedagógico do Twitter permite que ele seja uma ferramenta de aprendizagem passiva ou ativa: os estudantes podem assistir, navegar, “twittar” e conectarem-se  com os outros. Assim os educadores podem planejar uma variedade de funções para os estudantes por tarefa, grupo ou mesmo personalizar o aprendizado.

Como usar o Twitter na sala de aula?

Existem diversos motivos que tornam o uso pedagógico do Twitter atraente, mas o principal deles é o aspecto social. Uma aula que utilize o Twitter deve se basear nessa qualidade para tirar o melhor dele.

Um exemplo de bom uso do Twitter que considera essa  característica é solicitar à turma que “twitte” para o/a professor/a em sala de aula ou para o dever de casa, dando as reações imediatas a uma leitura do programa. 

Também é interessante ter um bate-papo contínuo no Twitter sobre uma questão essencial ou uma atividade, lição, projeto com um debate assíncrono. Os estudantes podem moderar a conversa apresentando suas próprias perguntas com antecedência e o/a professor/a pode se envolver para ajudar a impulsioná-las.

Outra possibilidade é pedir que resumam o que aprenderam dentro da medida permitida de caracteres. Essa é uma ótima maneira de conferir o que os estudantes lembram e também exige que pensem criticamente sobre a ordenação de informações, o que é mais importante. 

Por fim, um dos usos criativos e pedagógicos do Twitter é propor uma atividade em que os alunos sejam estimulados a criar em classe e sob supervisão constante uma conta no Twitter para uma personalidade histórica ou fictícia (jamais para uma pessoa “real”) de alguma obra que estejam lendo. Devem alimentar o perfil com os principais eventos da vida dessa pessoa, como eles acham que ela teria twittado e assim por diante.

Por se tratar de uma tarefa para menores de idade, além da supervisão atenta, é bom manter as contas criadas sem divulgação e fechadas para que apenas os seguidores autorizados possam acessá-las.

Opções de perfis e pessoas para seguir no Twitter

Quer seguir e indicar perfis legais no Twitter para a turma? Então segue a dica:

  • @GustavaoGeo: perfil de Geografia e Atualidades;
  • @oatila: perfil do divulgador científico Atila Iamarino;
  • @falaQuimica: canal de Química produzido no departamento de Química da UFSC;
  • @studyaugusto: dicas de como lidar com dificuldades de aprendizagem, estudar de forma estratégica e métodos de estudo;
  • @PesquisaFapesp: página da revista de divulgação Fapesp;
  • @Prof_Jubilut: perfil de Biologia e Educação;
  • @EstadaoEdu: notícias, reportagens e entrevistas de Educação.

Dicas para levar o Twitter para a sala de aula com responsabilidade e aderência a alfabetização digital

  1. Entenda o Twitter antes de criar uma conta para fins profissionais;
  2. Defina o objetivo da sua conta. Será para uma aula específica ou uma conta para interação contínua?; 
  3. Estabeleça para que você usará a rede social. Lição de casa? Compartilhar conteúdo relacionado a aula? Revisar um assunto? Manter um canal de notícias?;
  4. Mesmo que já sejam usuários da rede social, é bom gastar algum tempo ensinando aos seus alunos como o Twitter funciona, já que o objetivo em sala de aula não é lazer;
  5. Peça-lhes que sigam a conta criada, mas é bom deixar claro que não seguirá de volta. Esta é uma prática para proteção pessoal e também para a garantia dos objetivos formais do trabalho;
  6. Crie uma hashtag exclusiva que permita que você e seus estudantes encontrem no mecanismo de pesquisa um atalho interativo para achar os conteúdos; 
  7. Ensine-os a se proteger e peça que compartilhem o que estão aprendendo em sua primeira mensagem no Twitter. Certifique-se de que incluam a hashtag criada para que todos possam seguir a thread; e
  8. Não se esqueça de manter a conta fechada para proteger você e os alunos que podem potencialmente segui-la.

Cuidado ao utilizar o Twitter em sala de aula

Falando em segurança, o uso pedagógico do Twitter deve ensinar e combater o cyberbullying, ou seja, o bullying com o uso de tecnologias digitais. Crianças e adolescentes que sofrem com a prática, não querem contar a um/a professor/a, pai, mãe ou adulto de confiança, muitas vezes porque sentem vergonha ou temem que seus dispositivos sejam levados embora.

Com a alfabetização digital, as vítimas podem entender que não estão sozinhas e agressores que a internet não é uma terra sem dono. Como educador/a, ao identificar um caso, você pode oferecer conforto e suporte, lembrando ao estudante que não é culpa dele/a. Qualquer tipo de bullying diz mais sobre o agressor do que sobre a vítima.

Elogie-o/a por fazer a coisa certa, procurando um adulto para conversar sobre o ocorrido. Avise os pais sobre a situação e os gestores da escola para que o caso não saia impune, é importante aos agressores lidarem com as consequências de seus erros. 

Além de agir sobre demandas, é importante criar uma cultura anti-cyberbullying, com palestras, reuniões, envolvimento da comunidade, agindo na conscientização antes de que o problema ocorra.