Dificuldade para ler e compreender textos pode estar entre os impactos da pandemia na Educação

23 de abril de 2021


De acordo com um relatório feito pelo Banco Mundial, publicado em março, entre os  impactos da pandemia na Educação, a suspensão das aulas presenciais afetará o nível de leitura e compreensão de textos dos estudantes do Brasil. Mais especificamente, é provável que 70% das crianças brasileiras não consigam ler e compreender um texto simples ao concluir o Ensino Fundamental. As perdas educacionais serão vistas em todo o planeta, mas segundo a organização, a região da América Latina e Caribe é uma das que mais preocupa.

LEIA MAIS: Ser professor no contexto atual: um aprender sempre.

“A leitura é como se fosse um ‘andaime’ em que todas as demais aprendizagens vão ser construídas. Se um estudante não consegue ler bem ou compreender um texto, ele tem dificuldades para entender História, Geografia, Química, que dependem dessa habilidade”, afirma Ildo Lautharte, economista da instituição na área de Educação.

Entre os fatores agravantes, mesmo antes dos impactos da pandemia na Educação, a região enfrentava uma crise com níveis muito altos de pobreza de aprendizagem e desigualdades persistentes. Além disso, o nível de conectividade, que, embora seja superior ao de outras regiões, ainda é abaixo da média mundial. Isso significa que cerca de 50% dos discentes não sabem ler adequadamente aos 10 anos e que, em um contexto onde menos de 60% das pessoas usam Internet, especialmente nos setores mais desfavorecidos, os riscos de aprendizagem são particularmente elevados.

Como está a Educação no Brasil?

Sem ações imediatas para mitigar os impactos da pandemia na Educação, as consequências serão graves e duradouras. A falta de aulas presenciais, por exemplo, também indica piora em exames internacionais como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que avalia o conhecimento de estudantes de 15 anos. Com dez meses de escolas fechadas, o Brasil cairia 36 pontos no exame e, com 13 meses, cairia 50 pontos. 

A situação do Brasil é uma das que mais preocupa o Banco Mundial, já que é o país da região com o cenário mais agravante da pandemia, assim como o que tinha apresentado melhorias educacionais mais consistentes nos últimos anos. “Um dos principais temores é que o Brasil perca em um ano o que levou dez anos para conquistar [de avanços educacionais]”, aponta Lautharte.

Impactos da pandemia na Educação

Os impactos da pandemia na Educação tendem a aumentar a evasão escolar na América Latina e Caribe, e podem levar a um retrocesso de ao menos oito anos no que diz respeito ao setor na região. Estimativas do Banco Mundial apostam em um aumento de 20% na taxa de estudantes que abandonam a escola. Porém, estatísticas de cada país indicam um cenário ainda pior. No Brasil e no México, por exemplo, mais de 8 milhões deixaram os estudos. Um número que representa alta de mais de 66% na evasão escolar da região. 

Em um webinar de abril de 2020, a instituição já havia apostado como caminho construir uma relação próxima com os estudantes e suas famílias, para que as escolas possam garantir que a Educação seja um objetivo comum. É fundamental manter o envolvimento para amenizar as perdas de aprendizagem e o distanciamento das atividades educacionais causadas pela pandemia.

Fontes: Fechamento de escolas pode deixar 70% das crianças brasileiras sem compreender textos simples; Escolas fechadas poderão afetar leitura de 7 em cada 10 estudantes do Brasil, diz Banco Mundial; Pandemia amplia a evasão escolar na América Latina.

revista Arco 43