Leitura na escola: conheça 7 livros premiados da Editora do Brasil

9 de dezembro de 2022


Entre os variados motivos pelos quais a Editora do Brasil está entre as melhores editoras de livros literários para crianças e adolescentes, a paixão genuína pelo que faz é um deles. Há quase 80 anos no mercado, sabemos que a literatura é importante e sempre será por seu papel no desenvolvimento de uma criança: é a leitura na escola, em casa e em todo o lugar que os coloca no caminho do sucesso.

Sucesso que vai além de bens materiais e alcança toda a subjetividade de sua formação como indivíduos, dentro de uma sociedade que têm sonhos e lutam por eles, que têm imaginação, criatividade, coragem, criticidade, ou seja, todas aquelas habilidades que só um bom livro pode fomentar tão bem.

Também sabemos que, para crianças pequenas e que ainda não sabem ler, um livro é aquela genuína alegria proporcionada por arte, design, texturas e que os iniciará no caminho da leitura. 

Ao contribuir para que os livros sejam feitos, estamos ativamente envolvidos no avanço de um ser humano. Isso tem um significado poderoso e que nos motiva a ir sempre além na qualidade do que fazemos.

Poder segurar um livro nas mãos depois de meses trabalhando nele, sabendo que conseguimos transformar uma ideia em um objeto tangível e que tem potencial para ser amado por uma criança, é uma grande coisa. Por isso que cada nova história da Editora do Brasil é tão especial e notada por quem a consome, inserida nas leituras na escola, assim como pelo mercado editorial.

Como resultado vêm os prêmios literários para coroar o trabalho duro. Em seu histórico, a Editora do Brasil já foi contemplada com vários prêmios. Mais recentemente foi indicada ao Prêmio Jabuti e venceu o Prêmio Literário Biblioteca Nacional. Sem dúvida, um grande diferencial para todos os que estão em busca de qualidade editorial para a leitura na escola, atestada por quem entende do assunto.

O que é o prêmio Jabuti?

O Prêmio Jabuti é o mais tradicional do Brasil, concedido pela Câmara Brasileira do Livro desde 1959 e atualmente dividido em categorias organizadas por quatro eixos: Literatura, Ensaios, Livro e Inovação.

Seu grande diferencial em relação a outros prêmios é a abrangência, que além de valorizar escritores, destaca as obras e a qualidade do trabalho de todos os profissionais envolvidos na criação e produção de um livro.

Dessa forma, anualmente, editoras dos mais diversos segmentos de todo o Brasil inscrevem suas obras e, ao serem premiadas com a estatueta, usufruem do reconhecimento que só ela proporciona. 

A Editora do Brasil, por exemplo, teve duas obras finalistas do prêmio em 2022: “Sala 1208”, de Caio Tozzi, e o livro brasileiro publicado no exterior, “Danite e o Leão — Um conto das montanhas da Etiópia”, do autor Rogério Andrade Barbosa.

O que é o Prêmio Literário Biblioteca Nacional?

O Prêmio Literário Biblioteca Nacional foi criado em 1994 e, desde então, contempla anualmente os melhores autores e tradutores em reconhecimento à qualidade intelectual de suas obras publicadas no Brasil em língua portuguesa.

Dividido em oito categorias — Poesia, Prêmio Alphonsus de Guimaraens; Romance, Prêmio Machado de Assis; Conto, Prêmio Clarice Lispector; Tradução, Prêmio Paulo Rónai; Ensaio Social, Prêmio Sérgio Buarque de Holanda; Ensaio Literário, Prêmio Mário de Andrade; Literatura Infantil, Prêmio Sylvia Orthof e  Literatura Juvenil, Prêmio Glória Pondé —, estas são avaliadas pelas comissões julgadoras que analisam as obras de acordo com a qualidade literária, originalidade, contribuição à cultura nacional, criatividade no uso dos recursos gráficos e excelência da tradução.

Como representante deste prêmio, a Editora do Brasil tem, por exemplo, a obra “Três dias e mais alguns”, de Caio Riter, que além de selecionado para o Catálogo FNLIJ da Feira de Bolonha 2020, finalista do Prêmio AEILIJ 2020, alcançou o 3º lugar no Prêmio da Biblioteca Nacional na categoria Juvenil em 2020.

Conheça mais livros premiados

Entre os títulos recentes da Editora do Brasil que ganharam prêmios e reconhecimento, temos a obra “Minha vida não é cor-de-rosa”, de Penélope Martins, que recebeu o Prêmio Literário Biblioteca Nacional na Literatura Juvenil – Prêmio Glória Pondé. 

E “Em algum lugar no mundo”, de Anna Claudia Barros, ilustrada por Jacobo Muñiz, selecionado pela Associação de Literatura Infantil e Juvenil Argentina (ALIJA) na categoria Tradução. 

Assim como “Ainda assim te quero bem”, de Penélope Martins e Caio Riter, ilustrado por Talita Nozomi, que foi vencedor do V Prêmio AEILIJ (Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil) na categoria Melhor Texto Juvenil. Este título, inclusive, participou do PNLD 2021 – Objeto 5 (Programa Nacional do Livro e do Material Didático, que seleciona literaturas para o Novo Ensino Médio), pelo selo editorial Akpalô. 

Além das incríveis histórias de “Louco por HQs”, finalista do prêmio Jabuti 2021; “Frederico, Frederico”, de Simone Mota, que foi premiado com o Selo Cátedra 10 – 2021, da Unesco e PUC-Rio; o “O mar de Cecília”, de Rosinha, que recebeu o Prêmio FNLIJ de Poesia; “Com que roupa irei para a festa do rei?”, de Tino Freitas e Ionit Zilberman, premiado com o Selo Distinção – Cátedra Unesco; e o inesquecível “Layla, A menina síria”, que foi selecionado para a Feira de Bologna, em 2019, e alcançou o selo Altamente Recomendável FNLIJ 2019, na categoria Jovem. Também foi selecionado para o Clube de Leitura ODS/ONU 2021 e recebeu o 3º lugar no Prêmio Biblioteca Nacional – Categoria Juvenil (2020).

Estas são só algumas das obras indicadas ou premiadas da Editora do Brasil. Para conhecer mais sobre elas ou descobrir mais livros infantis incríveis, vale a pena conferir o Catálogo de Literatura Infantil 2022/23 e o Catálogo de Literatura Juvenil 2022/23.