Livros podem ajudar a trabalhar competências socioemocionais?

18 de março de 2022


Quer ajudar os jovens a aprenderem sobre consciência social, autoconsciência, empatia e outros exemplos de competências socioemocionais? Há uma ferramenta valiosa para isso: a literatura. Livros, além de orientar questões acadêmicas, são ideais para o desenvolvimento social e emocional. Mas quais são as razões que tornam a literatura uma porta de entrada para a aprendizagem de competências socioemocionais em sua sala de aula?

Como as competências socioemocionais são trabalhadas na literatura?

Romances, contos, novelas e até histórias em quadrinhos estão cheios de emoções. Os personagens experimentam os altos e baixos da condição humana e, à medida que o leitor avança, sente as mesmas coisas. Ou seja, quando os alunos analisam as emoções dos personagens sobre os quais estão lendo, eles não apenas obtêm uma maior compreensão do texto, mas também uma maior compreensão de seus próprios sentimentos.

É fato que a leitura melhora o foco e a concentração acadêmica, mas esse foco também é essencial para a interação social. Imagine a situação: alguém fala com você e o momento exige a capacidade de dar toda a sua atenção e estar presente no momento, esperar que a pessoa termine a ideia, para só depois adicionar a sua e permanecer na conversa. É a exata dinâmica de ler um livro! A literatura ajuda a desenvolver essa paciência e concentração, trabalhando a conversação e a resolução de problemas.

Além da solução de problemas, os livros são ótimos para estimular discussões, não importa a idade do estudante; abordam pautas que podem não surgir na conversa cotidiana, assim como trabalham a empatia, competência socioemocional mais do que necessária nos dias de hoje. Tudo isso forma a base das ideias do Novo Ensino Médio, ancorado nos percursos de aprendizagens alinhados aos interesses e prioridades dos jovens.

PNLD 2021 

Que autonomia, comunicação, autoconhecimento, perseverança, criatividade e pensamento crítico estão entre os pontos focais do Novo Ensino Médio e da Base Nacional Comum Curricular você já sabe. Por consequência, também estão no PNLD 2021

O edital do programa que trata do material didático dos alunos e educadores deste segmento, atualmente está em processo processo de avaliação do Objeto 5, que compreende, justamente, as obras literárias. 

As obras literárias

A Editora do Brasil, conhecida por seu longo histórico de qualidade, tem oito livros inscritos e submetidos à avaliação deste Objeto, todos aderentes à BNCC e com discussões importantes para a juventude – dentro dos gêneros propostos pelo edital e em conformidade aos temas norteadores: Projetos de vida; Inquietações da juventude; Os jovens no mundo do trabalho; A vulnerabilidade dos jovens; Cultura digital no cotidiano dos jovens; Bullying e respeito à diferença; Protagonismo juvenil; Cidadania; Diálogos com a sociologia e com a antropologia; Ficção, mistério e fantasia.

As competências socioemocionais são desenvolvidas em todos os enredos, à sua maneira. Em Três dias e mais alguns, por exemplo, conhecemos o adolescente Matias e os conflitos vividos por ele, suas preocupações e reflexões acerca do que se passa em sua família e em seu meio social. Fã da saga Star Wars, esse jovem, que mora com a mãe e os dois irmãos em uma comunidade carente de Porto Alegre, vai emocionar seus estudantes com sua forma de ver a vida, de lutar contra injustiças, de ser e estar no mundo. 

Outro bom exemplo de trabalho com as competências socioemocionais é Sentimentos: achados e perdidos, que aborda o quanto ser adolescente não é fácil. Abandonar o jeito infantil e amadurecer exige muito dos jovens, principalmente considerando a intensidade dos sentimentos nessa fase. Mas será que os adultos conseguem ser maduros em todos os momentos? Ou também agem com atitudes tipicamente infantis ou juvenis? Neste livro, a ideia é entrar em contato com pessoas que, independentemente da idade, são movidas pelos sentimentos, vivenciam as situações mais inusitadas e percebem como amadureceram ou ainda precisam amadurecer perante os naturais percalços da vida.