Memes em sala de aula contextualizam ensino e aproximam estudantes

29 de setembro de 2020


Usar o poder da cultura pop para promover o aprendizado pode ser uma excelente ideia. A presença dos memes em sala de aula, além de trazer bom humor, torna-os uma ferramenta de ensino envolvente para promover a aprendizagem.

Ao utilizar esse recurso pedagógico, o educador pode começar o contextualizando como um elemento parte de um grupo social. Ao mesmo tempo, pode propor debates para que os estudantes identifiquem suas características e o que faz um bom e um mau meme. 

Criação de memes

Os memes em sala de aula são uma maneira divertida e fácil de chamar a atenção dos estudantes e podem ser usados ​​para as tarefas como uma saída alternativa e com bastante espaço para a criatividade. Aliada as tecnologias certas, a aula pode, inclusive, incluir a produção de memes sobre os assuntos discutidos.

Criar memes é um processo bastante simples. O conceito se resume em usar imagens, vídeos, GIFs e/ou relacionados juntamente de um texto (que não é obrigatório). O conjunto, semioticamente falando, deve dialogar e remeter aos símbolos da cultura digital e jovem de forma engraçada.

Em uma busca rápida pela internet, é possível encontrar uma gama de aplicativos, softwares de edição ou mesmo sites gratuitos para criar memes, como o Canva, Meme Generator, Mematic – The Meme Maker e muitos outros. A escolha da ferramenta depende de um filtro de utilização e layout, para garantir não expor os estudantes a nenhum conteúdo desrespeitoso.

Memes em sala de aula: por onde começar?

As opções são muitas. Para o professor de Língua Portuguesa, que tal combinar as regras gramaticais com imagens engraçadas? Outra possibilidade é aliar o uso memes em sala de aula às discussões de obras literárias. O educador pode dividir a turma em grupos e fazer com que cada um crie um meme a partir de capítulos, correntes literárias e simbologias. A prova de que o engajamento existe, é que vez ou outra, a internet está discutindo se Capitu traiu ou não Bentinho, personagens do clássico Dom Casmurro. Por que não trazer esse debate para entender a obra?

Para aulas de Língua Inglesa ou Espanhola, permita que a turma ilustre palavras em sua lista de vocabulário com memes. Isso permite fazer correlações e memorizar com mais facilidade, uma vez que é necessário entender a palavra completamente antes de pensar em uma forma de combiná-la com imagens.  

Envolva seus estudantes em um tópico antes mesmo de começar a abordá-lo, criando e usando um meme intrigante como um quebra-gelo para a lição. Peça à classe que analise a mensagem e, ao fim, criam memes como uma forma de revisar o material.

É possível trazer essa ferramenta de ensino também para modernizar as aulas de História. Trabalhando as datas, enfatizando os fatos, as curiosidades e diversos assuntos que, de outra forma poderiam passar despercebidos, em uma aula meramente expositiva. 

Em disciplinas de Exatas, pode parecer mais difícil encontrar o humor ideal. Mas, o brasileiro, mestre na arte de criar memes, popularizou no mundo todo a figura da personagem de novela Nazaré Tedesco, rodeada de expressões numéricas. Ou seja, não há tema que os memes não possam iluminar e colocar os jovens para encontrar soluções criativas. 

Ideia para autoavaliações

Os estudantes reconhecem os memes como parte de seu mundo. Dessa forma, ao aplicar o conceito às informações obtidas na escola, o aprendizado se torna mais relevante para eles. Ao escolher como avaliar os produtos criados, peça que colem todos os memes em um quadro ou parede. Em seguida, dê a cada um post-its ou adesivos de cores diferentes e explique que cada cor equivale ao botão de “curtir”, “comentar” ou “compartilhar”.

Os estudantes podem então olhar para o trabalho uns dos outros e colocar notas em seus memes favoritos com uma pequena mensagem sobre o que acharam deles. O meme com mais “engajamento” será declarado um “viral”.

Apesar de todos os seus benefícios, o uso de memes em sala de aula deve partir de regras bem claras. Assim se evita perder o foco no ensino-aprendizagem. Uma forma de garantir isso é utilizar a própria linguagem de memes para delimitar o que pode e o que não pode. Ou seja, faça um meme para cada regra e coloque-as em um mural. Assim, ninguém vai se esquecer que elas existem.