O Nobel e a educação midiática

19 de novembro de 2021


Dois jornalistas conhecidos pelo trabalho em prol da liberdade de expressão ganharam o Prêmio Nobel da Paz de 2021. O Comitê Norueguês declarou em seu anúncio que Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, são “representantes de todos os jornalistas em uma época em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”. Tal feito surge em um propício momento para lembrar da importância da educação midiática na escola. 

O comitê também destacou os esforços de Ressa e Rappler para documentar “como a mídia social está sendo usada para espalhar notícias falsas, assediar e manipular o discurso público”, assunto pertinente de ser debatido na sala de aula para um futuro embasado na verdade. 

O que é educação midiática?

Processar e internalizar novas informações requer um esforço mental considerável, especialmente quando essas informações conflitam com alguma visão de mundo existente. Você precisa avaliar as informações, considerar se são consistentes com suas crenças e, se não, reestruturar essas crenças para acomodar as novas observações. É preciso vulnerabilidade e disposição para admitir que você pode estar errado. Ou seja, um processo bem complexo.

Como discernir as notícias reais das falsas depende de um conjunto de habilidades desenvolvidas por meio da prática, que pode muito bem ser concebido cedo – se os educadores começarem a ensinar a alfabetização jornalística e a educação midiática desde tenra idade. Assim que os alunos começam a estar online, a escola deve abordar a questão das notícias falsas com eles, para que possam reconhecer as características que formam esse tipo de material.

Porém, reconhecer fake news não resume toda a extensão do que é a educação midiática, mas é uma base importante, à medida que os alunos começam a desenvolver consciência retórica e podem chegar à conclusão de que as notícias são verdadeiras, mas ainda assim algo não parece certo nelas. Em uma era em que o jornalismo manipula tanto quanto mente, é essencial que os educadores usem a discussão sobre notícias falsas como ponto de partida, mas continuem seu trabalho de alfabetização midiática para ajudar a reconhecer que passar no teste “falso ou real” é um primeiro passo, não o final, na escolha das melhores fontes de pesquisa.

O que é usar a mídia para aprimorar o ensino e a aprendizagem?

Além das discussões críticas, a educação midiática pode ser um componente de estratégias de aprendizagem ativa, como discussões em grupo ou estudos de caso. A mídia pode ser um clipe de filme, uma música ouvida no rádio, um podcast, um webinar ou artigo de jornal. Os alunos também podem criar sua própria mídia. Por exemplo, projetos de vídeo podem ser uma experiência de aprendizado poderosa.

Revista Arco 43