Quão importante é a felicidade do estudante para sua trajetória acadêmica?

26 de abril de 2021


É desejo de todos os pais e responsáveis que seus filhos cresçam felizes e cheios de amor, mas o significado da felicidade não costuma estar entre o que aprendemos na escola. Esse sentimento, na vida de uma criança, tem ramificações que se estendem muito além das paredes das próprias casas. Seu impacto atinge até mesmo os sucessos alcançados na trajetória acadêmica e social de um indivíduo, já que esses itens estão intimamente ligados ao seu estado emocional.

No mundo acelerado e movido a tecnologia em que vivemos, muitas vezes as emoções não são compartilhadas ou discutidas abertamente. É fácil se esconder atrás de agendas lotadas, dispositivos eletrônicos e nunca parar para perguntar como as crianças e jovens estão se sentindo: “Você se sentiu feliz hoje? Alguma coisa te chateou? O que faria de amanhã um dia melhor para você?”. Todas essas são perguntas que devem ser feitas regularmente, em prol de um monitoramento da felicidade.

A escola é estressante

Obviamente, todos os estudantes são extremamente únicos em suas respostas emocionais à escola e ao dever de casa. Alguns prosperam e gostam deste ambiente, outros realmente lutam contra o estresse que vem junto com as pressões acadêmicas e sociais. Principalmente na situação atual, com as novidades do ensino online, as turmas estão sentindo a ansiedade do desempenho e da crescente carga de trabalho que os acompanha. Por isso, é fundamental manter as linhas de comunicação abertas tanto com seus estudantes quanto com seus pais e responsáveis.

Assim como buscar saber não apenas conquistas alcançadas na trajetória acadêmica,   também é importante ouvir e perceber como eles se sentem e como estão agindo. O esgotamento é uma ameaça muito real ao desempenho acadêmico de um estudante. Mesmo que estejam indo bem com suas notas, se não estiverem felizes e desestressados, essas emoções podem rapidamente se transformar em sentimentos de opressão e vontade de desistir.

A felicidade impacta o desempenho

Pense no seu próprio trabalho. Quando você está tendo um dia ruim, como é o seu desempenho? Se você acordou cedo, sem dormir muito, consegue entregar facilmente aquele grande projeto? O mesmo vale para crianças e jovens. Se eles estão estressados, se não dormiram bem, se simplesmente não estão felizes com a vida, tudo isso vai influenciar o quão bem se saem em seus testes, como interagem com os amigos e o quanto podem realmente ouvir e aprender naquele dia. A felicidade do estudante está diretamente relacionada ao desempenho escolar e, portanto, refletirá em toda a sua trajetória acadêmica.

As escolas podem ensinar felicidade?

Algumas pessoas podem argumentar que o objetivo principal de uma escola é ensinar o currículo e fomentar uma boa trajetória acadêmica, não ensinar as crianças a serem mais felizes. O que muitas vezes não conseguem perceber é que o ensino socioemocional é uma das melhores maneiras de aumentar o desempenho e isso não exige grandes manobras. O primeiro passo é reconhecer a importância de pensar o tema e tê-lo em mente ao iniciar as práticas pedagógicas.

Um possível caminho é buscar ensinar coisas novas, de maneiras inovadoras. Quando estamos engajados e interessados ​​em nosso trabalho, nos sentimos e agimos melhor porque temos mais probabilidade de experimentar o fluxo. Se nosso trabalho não é desafiador o suficiente, ficamos entediados, mas se for muito desafiador, ficamos sobrecarregados. Portanto, ao ensinar, um meio termo firme, seguro, mas novo pode levar os estudantes à alegria do desafio.

Emoções impulsionam a trajetória acadêmica

Quando os estudantes estão felizes, eles são mais capazes de resolver problemas, estão mais abertos ao pensamento crítico e ao raciocínio. Assim como o foco está mais afinado e suas capacidades de reter e recordar informações são intensificadas. Uma criança feliz tem muito mais probabilidade de ser motivada na escola, de colaborar e construir amizades com colegas de classe, de solucionar problemas e resolver dilemas sociais e construir uma trajetória acadêmica mais sólida. Biologicamente, a felicidade e outras emoções desempenham um papel crítico na funcionalidade e no desenvolvimento cognitivo.

Evidentemente, a resposta à questão de quão importante é a felicidade do estudante para o sucesso de sua trajetória acadêmica é gigante. Por isso, o trabalho próximo com as famílias é essencial para identificar quaisquer influências domésticas que possam obscurecer a felicidade; e se houver, incentivá-los a procurar ajuda. 

revista Arco 43