Tecnologia na sala de aula: ensine Química usando o TikTok

8 de outubro de 2021


Trabalhar a tecnologia na sala de aula da maneira certa só tem a acrescentar ao processo de ensino-aprendizagem. Nessa brincadeira, as redes sociais conectam o mundo jovem com o dia a dia da escola. O TikTok, em especial, é uma excelente ferramenta com  potencial para agregar a uma sala de aula inovadora, independente de qual seja a área do conhecimento.

Isso porque o TikTok é uma rede social que permite o compartilhamento de vídeos de curta duração, que podem ser editados com músicas, efeitos especiais, filtros e outros recursos. Atualmente, é um dos aplicativos que registra maior crescimento em números de usuários, de maneira mais acelerada no mundo. De acordo com um levantamento realizado pela SensorTower, a plataforma consolidou-se como a mais baixada durante a pandemia de Covid-19: foram 2 bilhões de downloads só entre os primeiros três meses de 2020. Todo este sucesso trouxe diversos usos à rede, um deles é como os vídeos curtos podem ser uma excelente ferramenta educacional.

Sua qualidade nesta função começa pelo fato de que seu acesso é gratuito. Ademais, uma grande porcentagem do público presente no aplicativo é de jovens e, embora muitos conteúdos criados pelos usuários sejam cômicos ou focados nas tendências atuais, isso não é a única coisa que se pode encontrar por lá. Há também uma abundância de conteúdo educacional, que o próprio TikTok apoia com sua iniciativa #LearnOnTikTok. 

Mas como a tecnologia na sala de aula e o TikTok podem entrar nas aulas de Química?

Alguns estudantes do Ensino Médio não gostam das aulas de Química porque acham que é uma disciplina que não acrescentará a suas futuras carreiras profissionais. Envolvê-los pela curiosidade sobre os fenômenos que ocorrem ao nosso redor pode mostrar que a história não é bem assim. Por exemplo, o levantar de um bolo assando no forno é um processo químico, o branqueamento de roupas no molho com água sanitária também, assim como a fermentação natural dos alimentos… A lista é infinita.

Considerando que a pandemia obrigou os educadores a migrar as aulas presenciais para as  remotas e contar com a tecnologia na sala de aula para tudo isso funcionar, um caminho, nesta retomada presencial, é explicar os conceitos-chave e reforçar a aprendizagem durante as sessões síncronas e durante as assíncronas, sugerir pesquisas e atividades semanais para relacionar os temas abordados nas aulas com aplicações reais. As aulas de Química nesse formato trazem as práticas laboratoriais para fora dos muros da escola.

Como? Projete atividades nas quais a turma deva observar e mostrar um fenômeno químico. No lugar de um relatório escrito que documente os passos, o TikTok entra com a apresentação dos experimentos e suas conclusões. Nessa dinâmica, os estudantes  aprendem sobre Química com atividades inovadoras, desenvolvem suas habilidades de autogestão, usam a tecnologia nas aulas e ainda podem compartilhar suas realizações, incentivando e aguçando a curiosidade de outros jovens.

Utilizar o TikTok como ferramenta educacional é a oportunidade de promover a realização de um trabalho que envolva os estudantes, trazendo a  tecnologia na sala de aula a partir de uma plataforma com a qual as culturas juvenis conversam e se relacionam, estimulando todos a compreenderem conceitos importantes. Desde a criação de vídeos, em vez de tarefas escritas, até usar o audiovisual como parte de uma apresentação, as formas criativas de usar esta rede social são muitas.  

Revista Arco 43