Dia do Imigrante: trabalhe o pertencimento e a inclusão na escola

25 de junho de 2021


Em 25 de junho se comemora o Dia do Imigrante no Brasil. Uma oportunidade para trazer a discussão sobre o senso de pertencimento e inclusão na escola de alunos imigrantes, bem como, debater a problemática como um todo. Afinal, a imigração continua sendo uma das questões mais controversas que o mundo todo enfrenta, com crises e consequências assustadoras para diversas sociedades. Explorar as perspectivas dos imigrantes com os estudantes pode ajudá-los a compreender melhor o significado de cidadania em uma democracia.

Ao incorporar as vozes dos imigrantes em sala de aula, os jovens podem passar a considerar a experiência de sua cidadania sob novas perspectivas. Por que nossa Constituição é diferente? Por que as pessoas arriscam tudo para sair de seus países? Esses questionamentos geram conversas sobre questões como a história da imigração, as leis atuantes, imigração econômica, imigração legal e ilegal, direitos dos refugiados e teoria política.

Enquanto navegamos por um cenário mundial que muitas vezes é hostil aos imigrantes, essa data é um bom momento para trabalhar a inclusão na escola e lembrar que a grande maioria de nós está aqui porque algum antepassado imigrou para o Brasil. 

Pertencimento e a inclusão na escola de alunos imigrantes

Sua instituição tem alunos imigrantes? Existem várias maneiras de promover uma saudável inclusão na escola. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), além do desempenho, uma indicação de quão bem os discentes imigrantes estão se integrando em sua nova comunidade é se, e em que medida, eles sentem que pertencem ao seu novo ambiente.

Aproveitar o Dia do Imigrante para reforçar esse senso de pertencimento à escola pode ser uma ação desenvolvida de muitas formas. Um bom exemplo é o incentivo por meio de ensino e aprendizagem culturalmente responsivos, visto em esforços para apoiar a cultura dos estudantes imigrantes – também promovendo imagens positivas de seus países. Identifique valores compartilhados e diferenças na sala de aula. Planeje oportunidades em que os alunos possam expressar seus valores e crenças pessoais para criar um sentimento de pertencimento. Também é efetivo abrir espaço para contar histórias, uma das formas mais poderosas de criar empatia. 

Layla, A Menina Síria

Empatia é um aspecto importante no estímulo ao senso de pertencimento dos alunos, e para isso, os livros podem ser uma ferramenta eficaz. Livros que falam sobre a experiência do imigrante de maneiras autênticas e significativas ajudam a construir comunidades acolhedoras para recém-chegados, assim como explanam as questões desses imigrantes para o restante da comunidade. A Editora do Brasil tem em seu catálogo o título Layla, A Menina Síria, que é um ótimo exemplo de material propício para a tarefa de acolher e  trabalhar a inclusão na escola.

A obra conta a história de Layla, que veio de Aleppo, no norte da Síria. Ela e sua família tiveram que deixar o país por causa da guerra e, assim como quase todos os seus amigos e familiares, obrigados a procurar um lugar seguro para viver. Neste emocionante livro, Layla conta histórias do período tão conturbado que viveu antes de finalmente chegar ao Brasil. Com sua narração, entramos em contato com um mundo completamente diferente, com outros sabores, cores e dores. Como será ficar longe de tudo e todos que conhecemos, viver com tantas lembranças tristes, ter que recomeçar do zero?