O que é Educação 5.0 e o que ela significa para sua escola?

28 de julho de 2022


Você já ouviu falar sobre o que é a Educação 5.0? Caso não, a gente te conta: em resumo, a Educação 5.0 é um conceito que se baseia no uso de novas tecnologias para proporcionar um ensino mais humanizado e o desenvolvimento das competências socioemocionais dos alunos.

Se pararmos para pensar, esse foco é bem natural  e reúne as principais necessidades dos nossos tempos. Afinal, nas últimas décadas houve um boom de transformação digital e novas tecnologias surgiram da noite para o dia, a Inteligência Artificial, a Internet das Coisas e a promessa do Metaverso foram incorporadas em todos os setores da sociedade. 

Na educação não poderia ser diferente e, com a pandemia de Covid-19 e a necessidade de tornar a vida mais digital, lidando com as aulas online e ensino a distância, além dos dispositivos tecnológicos, a necessidade de preparar o ser humano emocionalmente para as adversidades também ficou clara. E é exatamente isso que a Educação 5.0 busca resolver, aliando conhecimento digital e tecnológico às habilidades e competências sociais e emocionais necessárias para a evolução.

Educação 5.0 busca aproximar a educação da realidade

Portanto, o primeiro e mais importante aspecto da Educação 5.0 é seu objetivo de aproximar a educação da realidade. Para isso, os estudantes devem ser expostos a uma configuração experimental e experiencial.

Ademais, é necessária uma abordagem mais prática, em que os problemas atuais sejam estudados e as escolas comecem a fornecer chances de pensar soluções viáveis ​​e realistas para esses problemas. 

Como a sua escola pode agir? 

  • Com planejamento e promoção de currículo apropriado;
  • Formação continuada adequada e atualizada para a equipe docente;
  • Investimento na estrutura técnica e não técnica;
  • Promoção da atitude inovadora;
  • Foco em responder às demandas da sociedade.

De acordo com o relatório “Futuro da Educação e Competências 2030” (Future of education and skills 2030), da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), os currículos devem ser dinâmicos, simples e realistas por natureza.

Os alunos devem poder seguir caminhos de aprendizagem não lineares em vez de progressões lineares ao longo de um único caminho padronizado. Interações constantes entre as partes interessadas, inovação constante no processo de ensino, aprendizagem e avaliação com a ajuda de tecnologias cyber físicas a ajudariam a nos aproximar das necessidades da sociedade.